14 de mai de 2014

Uma reflexão sobre a morte e a culpa é das estrelas.

Peguei meu laptop, que estava debaixo da cama, apertei o botão de 
ligar e fui direto no perfil dele, onde as mensagens de pêsames já 
inundavam o mural. A mais recente dizia: 

Eu te amo, irmão. Te vejo do outro lado. 

…Escrita por alguém de quem eu nunca tinha ouvido falar. Na 
verdade, quase todos os posts no mural dele, que chegavam quase na 
mesma velocidade que eu levava para acabar de ler cada um, foram 
escritos por pessoas que não conheci e das quais ele nunca tinha falado, 
pessoas que estavam exaltando as diversas virtudes dele agora, depois de 
morto, mesmo eu tendo certeza de que não viam o Gus havia vários meses 
e nem tinham feito qualquer esforço para visitá-lo.


Algumas coisas aconteceram que me fizeram refletir sobre a morte e a vida. Segunda de tarde recebi uma noticia que chocou: uma menina que estudou comigo chamada Suélen havia morrido com apenas 18 anos. Logo, comecei a procurar alguém para ir comigo no velório, afinal é isso que as pessoas fazem: prestam homenagem para as pessoas que partem. Chamei uma amiga para ir comigo e ela disse: "Eu não vou, acho chato ir já que eu mal falava com ela" e fiquei imaginando a relação disso com o trecho acima do livro A Culpa é das Estrelas. 

Quando li o livro pela primeira vez, concordei totalmente com a Hazel: como alguém era capaz de colocar mensagens de amor se não viveu com aquela pessoa nos últimos momentos? Como alguém pode sentir a perda de uma pessoa que nem mesmo era sua amiga? No velório da minha vó, vi muitas pessoas chorando em cima do caixão e eu nem as conhecias. Minhas experiencias fizeram eu concordar com a mensagem do Green.

Mas hoje vivo o outro lado da moeda. Não, eu não conhecia todos os sonhos da Suélen, fazia anos que eu não a via, não conheço seus pais, seus irmãos e família. Também não sei o curso que ela fazia na faculdade, não sei a data de aniversario dela e também não sei se ela gostava de cachorro ou gatos, azul ou rosa, não sei se ela foi uma criança tímida ou espoleta.

Só que isso não muda o fato que sinto pela morte dela, uma garota de 18 anos tem um futuro inteiro pela frente. A cada mensagem do facebook que aparece fico imaginando sua família, seus amigos, sua vida. Alguém se foi, uma colega minha, uma pessoa que sorria e gritava, que estudava e batalhava. Que apresentava trabalhos para os mesmo professores que eu, que sentava ao lado da minha amiga todos os dias. 

Eu fui no velório, não porque eu queria aparecer, ou porque estava curiosa para ver ela ali sem vida. Eu fui no velório porque a Suélen fez parte da minha vida, fui homenageá-la porque ela era alguém especial, ela era uma pessoa. Fui ao velório pela sua família (que eu não conheço) porque estamos aqui uns pelos outros. Porque o amor e a tristeza devem ser compartilhados. Fui ao velório porque a experiencia da morte da minha vó me fez entender que um abraço (seja ele de um amigo ou daquela pessoa que você mal diz oi) trás a sensação de cuidado e nessa vida o tempo todo estamos a procura disso: ser cuidado.

Aos pais da Susu que Deus possa consolar seus corações e lhe trazer a paz! Aos amigos que você possam ser gratos aos momentos que passaram ao seu lado. Aos leitores: cuidem, grite, cante, chore, ria e aproveite cada momento do hoje pois não sabemos o dia de amanhã. A vida é muito curta para não viver ela intensamente. Clichê essa frase, eu sei. Só que é a mais pura verdade.










Comente com o Facebook:

24 comentários:

  1. Minha linda,
    Vim retribuir sua carinhosa visita ao meu blog e, nossa, fui presenteada com um texto tão humano… Tão real. Eu gostei muito do jeito como você escreveu. Vivi os dois lados da moeda também e, como você, concordo que podemos sentir a perda de alguém mesmo que não fôssemos amigos. Eu acho que temos esse sentimento simplesmente por saber que, embora não tenhamos convivido, reconhecíamos a existência dessa pessoa.
    Que você continue sensível aos que passam pela sua vida, flor… :)
    Beijo carinhoso!

    Tem como não desejar esse livro com uma resenha como essa!? Fer, adorei cada linha da sua opinião. Eu já incluí esse livro entre os meus desejados desde que li a resenha da Cássia – do Procurei em Sonhos. Então, a sua opinião vem apenas somar ao meu desejo de também me emocionar com essa leitura (rs).
    Adorei! Parece ser um livro sensível para um leitor igualmente sensível… <3

    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Fran!
      Concordo contigo é simplesmente pelo fato dela/dele ser humano
      Muito obrigada pelo comentário linda ♥

      Excluir
  2. Esse livro é lindo, digo isso, pq eu ja tive cancer, e passei por todo o procedimento, desde quimioterapia, a cirurgia, medicamentos e tudo, me livrei dessa doença nos atrás e hoje convivo com um tumor no cerebro, mas nem me encano com isso, senão não vivo rs

    Sinto muito pela perda dessa amiga =/

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto muito :( é verdade, é necessário viver sem se prender a isso!
      parabéns pela força
      beijos

      Excluir
  3. É, Claudinha...

    Num processo desse, eu sempre imagino os sonhos, os medos, as alegrias, as tristezas, os amores e desamores que a pessoa já passou ou pensou em passar. Acho que é isso que nos coloca na posição de sentir a perda de alguém, mesmo que não tenhamos convivido ou conversado muito com esse alguém. Embora, haja pessoas que não conhecemos direito, ainda assim são pessoas. Todas as pessoas sonham, amam, sentem medo... Acho que é isso que nos aproxima de quem não conhecemos ou de quem não possuímos convívio.

    Gostei da reflexão proposta por A Culpa é das Estrelas.

    Abraço :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é verdade Augusto!
      é isso que nos torna humano, concordo totalmente com você!
      Abraços ♥

      Excluir
  4. Nossa, você abordou esse assunto delicado extraordinariamente bem.
    Compartilho das mesmas idéias.
    Sempre que falece alguém próximo ou nem tanto e eu puder ir ao velório, eu vou, nem que seja para dar suporte a família.
    Meu irmão morreu com 6 meses. No velório dele tinham mais de 100 pessoas. Tinha gente que nem se quer sabia que minha mãe e meu pai tinham tido filho depois de tanto tempo, mas foram para dar força aos meus pais.
    Poste mais coisas assim quando quiser, gostei muito da sua reflexão :)

    http://enquantoestavalendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto muito pelo seu irmãozinho e concordo totalmente com você, é importante oferecer apoio
      Obrigada pelo comentário <3

      Excluir
  5. É difícil quando isso acontece, muitas vezes não estamos presentes na vida das pessoas que conhecemos e partiram mas acredito que o fato de lembramos carinhosamente e fazer uma prece ou ir até o velório ajuda a consola a família de alguma forma, elas sabe que a pessoa que partiu deixou sua marca em todos que estão ali .Eu já passei por isso e sempre reflito como a vida é tão frágil e do futuro que nunca mais chegará aquela pessoa . Gostei muito da forma que escreveu os blogs estão tão cheio dos looks do dia que vale a pena parar e ler um texto como esse , beeijos !

    http://papo-deamiga.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é muito difícil! Concordo com tudo que você colocou, é uma maneira de mostra que aquela pessoa te tocou,
      obrigada pelo comentário
      beijos

      Excluir
  6. Ano passado, um garoto que eu tinha em minhas redes sociais, que eu conhecia apenas de vista morreu e ele possuía muitos amigos... Não só a minha escola, mas várias na minha cidade juntaram para orar enquanto ele estava no hospital... Sim, só conhecia de vista, mas eu orei todas as noites por ele, chorei, fiquei pra baixo... Não consigo encarar uma situação dessa de boa. Acho que não precisamos ser amigos, parentes para sentir essa dor no coração ...
    Ótimo post! Visita? pausaproretoque.blogspot.com ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Concordo com você, o que nos toca é porque de certa forma é nosso!
      Obg pelas palavras
      beijos
      <3

      Excluir
  7. Flor gostei da sua reflexão.
    Eu sou como você, se te tocou, se te entristeceu a morte dessa garota nada mais justo do que prestar um homenagem, ou até mesmo fazer uma oração não é?
    Afinal todo mundo tem sentimentos não é? Estando perto ou longe.
    Bjo

    Jéssica

    www.minhasfeminices.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Jessica!
      esse é o grande "barato" da vida, ser tocado!
      Beijos e obrigado pelo comentário ♥

      Excluir
  8. Gostei muito do pensamento. Afinal, todos merecem as devidas homenagens, desde que sejam feitas de coração.

    Beijo, Érica
    http://www.conversasemilkshakes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Corinthians ♥♥
    Olá amor,adorei seu blog e já estou super seguindo e curtindo ^^
    Queria te pedir pra vim conhecer o meu,se gostar segue e curte também?
    http://espacoteencomanaliasantos.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/EspacoTeenComAnaLiaSantos?ref=hl
    Beijos amor,sucesso ^^
    ♥♥♥

    ResponderExcluir
  10. Olá ^^
    primeiramente, sinto muito pela sua amiga.
    A primeira parte que você mencionou do ACEDE, quando eu a li no livro fiquei meio em duvida se concordava com aquilo.
    Quando meu avô morreu, eu também vi pessoas que nunca vi na minha vida, pessoas que estavam ali porque viu ele de longe alguma vez, ou estava ali porque é curiosa.
    Eu te juro, me deu uma vontade de expulsar toda aquelas pessoas, e ficarem só a minha família e amigos do meu avô. E não pessoas que de certo nem sabiam o nome dele.
    Mas eu refleti, e fiquei em duvida. Não sei se ficava feliz por pessoas lamentarem a morte de alguém próxima, alguém que morava na mesma cidade do que ela, ou se eu ficava irritada por só agora vierem dar os seus 'sinto muito', só depois de morto que alguém é lembrado.
    Você fez o certo em ir ao velório, pois você sentia muito, como você disse, estamos aqui uns pelos outros.
    Bom, você abordou bem esse assunto. ^^
    Beijos.
    pensamentoscomchantilly.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      eu tive esse mesmo sentimento e na época concordei com o Green, mas hoje vejo as coisas diferentes
      Obrigada pelo comentário
      beijos

      Excluir
  11. Ultimamente eu estou assim também sabe? pensando em aproveitar a vida, tentando encarar a morte como uma ''coisa boa'' até entende? haha Sinto muito pela sua colega, e sua atitude foi super certa de ir ao enterro, não é por que você não era ''intima'' dela que não pode sentir a perda né? é lamentável uma garota tão jovem... espero que Deus conforte o seu coração e da familia/amigos dela <3

    Beijos,
    http://quemvepensah.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é necessário! obrigada pelo carinho e pelas palavras
      Beijos

      Excluir
  12. Linda homenagem, nessas horas um simples abraço representa muito!

    http://poraodaliesel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©